28.6.16

O Descoberto. É a hora?

Camões, n'Os Lusíadas, incentiva o jovem rei D.Sebastião a recuperar o esplendor do império que se encontrava em derrocada e a acordar o povo português cujas potencialidades, latentes, estavam mergulhadas em letargia:

"Ouvi: Vereis o nome engrandecido
Daqueles de quem sois senhor superno,
E julgareis qual é mais excelente,
Se ser do mundo rei, se de tal gente"
(canto I, est.10)

"É a Hora!"
(último verso do poema Nevoeiro que encerra  Mensagem de Fernando Pessoa.)

É a hora de deus voltar a querer, do homem voltar a sonhar para a obra voltar a nascer!

O nosso PR parece ter interiorizado as palavras de Camões.
Marcelo Rebelo de Sousa diz que " é muito gratificante ser-se presidente de uma nação assim".
Não será o Encoberto descoberto, mas uma gotinha de otimismo, de crença, de loucura, talvez nos façam acordar...Vendo e olhando.

E é desta loucura que D.Sebastião nos fala, em primeira pessoa, em Mensagem, e que considero uma epifania de Fernando Pessoa:

"Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia
Cadáver adiado que procria?"

É a hora de nos distinguirmos das bestas, de sermos loucos e lutarmos pelo que está para além da linha fria do horizonte. Busquemos uma nova Índia cujas naus são feitas daquilo que os sonhos são feitos, parafraseando o poeta.

Que o país se renove e progrida.

...e que a bola role no sentido desejado. Já que falamos de loucuras.





Sem comentários:

Enviar um comentário

Conte...