24.6.16

Brexit, efeito dominó?

Nesta Europa onde só alguns dão as cartas e vão a jogo, tudo parece ruir. Como um baralho de cartas.
Os alicerces que suportam a União Europeia há muito que começaram a aluir, sobretudo pela atitude hegemónica de alguns países. Uma Europa a várias velocidades, com um arremedo de democracia, pouco ou nada avança. Uma Europa de risco ao meio e que se move e congrega quase exclusivamente por interesses económicos renega a argamassa da união: o humanismo, palavra cheia que pacifica os povos.
Brexit. E agora?
O Reino Unido, igual a si próprio, na sua sempiterna sobranceria imperial, demarca-se quando não lidera ou impõe a sua chancela. Assim se manteve com um pé dentro e o outro pé fora da UE durante décadas.
A bravata oportunista de Cameron para assegurar a sua eleição vai sair cara a toda a gente. Até a ele que, embora seja reconhecida a sua legítima permanência na 10 Downing street, não estará numa situação confortável por se ter batido pelo remain.
Sem levar em conta as consequências do Brexit, em pequeno e médio prazo, é um pouco assustador o quase expectável efeito dominó: o País de Gales e a Irlanda já manifestaram vontade de sair do Reino Unido e pedir para entrar na UE, a seguir-lhe o exemplo, numa outra dimensão, estará a Catalunha a lutar pela sua autodeterminação. A norte, os escandinávios têm mostrado algum desassossego e talvez aproveitem a maré para se porem ao fresco.
E os outros países, que alternativas lhes restam? Aceitar a teoria dos doidinhos do alargamento a Leste?
Para além destas convulsões intestinas, a Europa debate-se também com o grave problema da imigração e com os ataques terroristas...e muito pela mão do RU...
Tudo se desmorona.
E nós?  Peões de brega que rolamos no chão, anónimos, por entre as patas dos cavalos da refrega,
continuaremos a ser a arraia miúda, mas sem um mestre para acudir.




2 comentários:

  1. Parece-te que 'este Brexit' é irrevogável?
    Olha que não. Só assim se explicam as já 100 mil assinaturas a pedir novo referendo.
    Teremos referendos até se conseguir o resultado que alguns querem?

    Beijo, C

    ResponderEliminar
  2. Apesar do resultado não ter sido o esperado, considero que a vontade do povo é soberana, logo,deverá ser absolutamente respeitada. A democracia funcionou e mal será se este princípio se subverter e se passar a referendar até se obter um resultado desejável.
    Penso que haverá um período de "nojo" entre referendos sobre a mesma matéria, o que será muito higiénico.
    Beijo, A

    ResponderEliminar

Conte...