31.5.13

Parabéns, Margarida Martins.


Alerta para o facto das mulheres que delatam que são vítimas de violência doméstica acabam por ser mortas ou alvo de mais violência.

Num programa da Sic, a que fui assistindo, hoje,  enquanto fazia o almoço, e que contou com a presença da Margarida Martins, estava presente um comentador assíduo do tal programa que chamou a atenção para a necessidade premente das escolas sensibilizarem os jovens para a cidadania. Em boa hora lhe foi dito que a escola havia já décadas que estava envolvida nessa sensibilização.

Durante cerca de cinco anos fui a coordenadora do PPES ( Projecto Promoção e Educação para a Saúde) e recordo as várias actividades levadas a cabo na escola ( e para a comunidade) e ainda os projectos que fui desenvolvendo e que levaram à criação de espaços ocupacionais na escola: sala escura de fotografia, compra de instrumentos musicais, construção de uma rampa de skate e uma parede de alpinismo, mesa de matraquilhos, etc, etc, No que respeita às actividades/encontros/palestras, recordo: alerta para o HIV, quer teoricamente, quer através de actividades lúdicas, planeamento familiar e prevenção de gravidezes precoces, alerta sobre comportamentos de risco: droga,  álcool, tabagismo ( que são igualmente drogas.), alimentação saudável, prevenção cardiovascular… Tenho ainda presente um das últimas actividades que ocupou manhãs e tardes com  várias turmas do 7º ao 12º anos: a violência no casal e com especial incidência na fase do namoro. Houve situações várias e de extremos em jogos de simulacro. Todas estas iniciativas contavam com o apoio importante de instituições e técnicos exógenos à escola.

Sei que o PPES se desenvolvia a nível distrital porque reuníamos em  variadas escolas do distrito em articulação com  representantes do ministério da Educação e, logicamente, a nível nacional.

Saliento que as escolas sensibilizam  para muitas outras vertentes sociais, até para a sinalização rodoviária e comportamentos na estrada, sinistralidades diversas, catástrofes naturais e como agir, etc.

Lamento sinceramente escutar/ler opiniões que se fazem passar por sábias e pertinentes, quando na verdade mostram tanto desconhecimento sobre o que se faz no terreno.

Ainda em relação à violência doméstica, embora eu não tenha nenhuma solução, fico sempre revoltada quando por ação de um  gajo ( não me merece outra designação!) violento  e por decisão do tribunal, este fica por aí e a vítima, muitas vezes com filhos, é obrigada a sair de casa, a largar parentes e amigos para ser encafuada em paradeiro incerto para sua salvaguarda. Ela parece ser a carrasca!
Ontem, vi na TV uma coisa chamada mãe e avó que ofertou as filhas menores e uma netinha de apenas cinco anos, a um velho sabujo de 74 anos que, com o rosto condoído e em  entrevista (pois!) se queixou que lhe levaram o dinheirinho todo e que ele nunca pediu nada,  elas é que só queriam era brincar!  Tudo isto à porta do tribunal, à luz do dia e ambos a cirandar a caminho de casa. Ela apanhou 7 anos ( como é isto possível???!!!) e ele 6,5 anos. Ambos são nojentos mas, talvez por eu ser mulher e mãe, considero que esta depravada merecia uma pena mais bem  pesada!
Eles andavam por ali….e as meninas? Excepto a mais nova que foi entregue ao pai, as outras foram institucionalizadas. Tamm aqui até parece que elas são as rés e que merecem ser “presas”.


29.5.13

Estou estupefaCta!

Rui Teixeira proíbe acordo ortográfico (Aqui.)

a "'Língua Portuguesa não é resultante de um tal «acordo ortográfico» que o Governo quis impor aos seus serviços', diz o juiz, acrescentando que 'nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário'", escreve o Correio da Manhã.”


{ Mais um chico-esperto provinciano e ignorante que nem leu o o acordo ortográfico mas acha-se no direito de dar opiniões erróneas, mal esclarecidas e abusivas. Será que leu o código penal? Ficamos na dúvida.} (Comentário extraído do jornal que publica o artigo. Apoiado!!! )



Estou estupefaCta  devido ao impaCto da leitura deste faCto. Três palavras que, obviamente, continuam com a mesma grafia.
Porém, antes, quero informar que, embora este assunto seja a minha praia, não sou fundamentalista na defesa ou ataque do/ao  NAO. Tenho para mim que é absolutamente necessário sacudir o pó à língua, bem como protegê-la de certas modernices que muito contribuem para a sua descaracterização. E esta que não colide, nem pode, com a sua natural evolução. Sim, escrevi “natural” e isso não implica que sejam necessários séculos para concluirmos que há certos fonemas que são empatas e que a acentuação da nossa língua mais parece uma floresta de antenas de televisão nos bairros periféricos.

Quanto ao meu estado de espanto, este estriba-se em:

  1. Este juiz, pelo que me tem sido dado a perceber, para além de ser certamente bom a  ajuizar, sofre de um síndroma: gosta de ser cabeça de cartaz, pela-se todo para dar nas vistas. Por exemplo, aquando da detenção de um deputado em plena Assembleia da República  onde entrou com a Sic a reboque. Espetacular, meu! E agora “proíbe”! Recordei-me do slogan do meu tempo: É proibido proibir!
  2. Ao ler as palavras deste senhor, senti a chamada “vergonha alheia”. Todos já sentimos isso. No papel de juiz, e sobretudo de pessoa supostamente bem informada, é vergonhoso o desconhecimento que este senhor demonstra sobre as alterações propostas, sobretudo quando esse desconhecimento está na base de uma justificação “judicial”!  Qualquer puto de uma escola secundária se apercebe  do disparate pronunciado. O mais incrível é lermos a leveza, a ignorância - só encontrada nas anedotas boçais que se trocam em alguns ambientes de analfabetismo- onde até o cágado surge como exemplo paradigmático! E errado, claro está.

O senhor douto juiz pode ficar descansado que irá continuar a escrever raPto e não rato, rePto e não reto.  É livre de não gostar, ou aceitar, o NAO, mas não seja faCCioso nem capCCioso, ilustre-se e mostre-se aPto a combater a sua inéPcia, desse modo a sua conviCÇão anti NAO ficará intaCta.

Alguém que avise a pobre criatura que as consoantes pronunciadas são escritas! E isto é um crime: falta, por ignorância, de honestidade inteleCtual.
Falta de ética. Dizemos nós.


26.5.13

Jesus doido!

Não, não é esse Jesus! É o Cristo.

Diz aí o padre Joaquim Carreira das Neves.





Será que se perdeu o molde?

 “É exactamente assim que vem nos jornais!”

O humor, o equívoco, a irreverência….a pintura de encomenda. Soberbo!
Umano antes da morte do “mestre”.


«O Povo completo será aquele que tiver reunido no seu máximo todas as qualidades e todos os defeitos.
 Coragem Portugueses, só  vos faltam as qualidades.»


25.5.13

Dúvida existencial. Quase.

“A atriz nega ter feito qualquer intervenção estética e mostrou-se triste com aquilo que apelida de falsas notícias.” 


O avanço da idade enloirece os cabelos, azula os olhos e estica a pele?


Para esta actriz, com imensas e boas provas dadas, situações destas eram bem escusadas, sobretudo sabendo nós que ela vive também da imagem.






Fotos da net

23.5.13

Obrigada, Georges

Pelas tuas palavras

Pelas tuas músicas

Pela tua solidariedade.

Uma voz doce na sonoridade e forte nas mensagens



Descansa em paz.

                                   

21.5.13

Tenhamos medo. Muito medo.


Dizem que a história se repete. Nunca liguei muito a isso talvez porque eu me limitasse a girar à mesma velocidade da sociedade. Do mundo. Numa fase de vida mais calma, baixei o ruído da minha própria voz e quedei-me a ver e a ouvir. E ando assustada. Expressões como década, geração, por exemplo, deixaram de fazer sentido, tal é a velocidade a que se fazem as mudanças. À imagem do que se lastimava o nosso grande poeta Camões : Outra mudança faz de mor espanto,/Que não se muda já como soía”.
Neste pressuposto, temo bem que a história se repita.

1. A religião católica está cada vez mais presente nas decisões e justificações do nosso quotidiano no que diz respeito à política, o que é muito grave. Só falta vir dizer que a crise é por vontade do Senhor e, tal como defendia a Igreja da Idade Média, que quanto mais sofremos na terra, mais felizes seremos no Céu.

Há cerca de 10 anos, o petroleiro Prestige afundou-se na costa da Galiza, largando 5 000 toneladas de fuel-oil. Temeu-se que a mancha negra alastrasse à costa portuguesa, mas felizmente isso não aconteceu.

“O ministro de Estado e da Defesa, Paulo Portas, acredita que a maré negra provocada pelo acidente do petroleiro "Prestige" não afectou até à data a costa portuguesa por uma combinação de "decisões firmes" e a intervenção de Nossa Senhora de Fátima.
"Eu acho que Portugal, na crise do 'Prestige', foi ajudado por decisões firmes (que não permitiram a aproximação da fonte do problema...) e foi muito ajudado por aquilo que eu, que sou crente, acho que foi uma intervenção de Nossa Senhora", afirma Paulo Portas na entrevista publicada na edição de hoje da revista "Visão". PUBLICO.PT  27/02/2003 - 15:02

Depois de ter associado a conclusão da sétima avaliação da troika a nossa
senhora de Fátima, o presidente da República apelou esta quarta-feira a S. Jorge
para trazer boas notícias para o país. Cavaco Silva esteve esta quarta-feira de
visita ao Minho, durante a manhã ouviu as preocupações dos trabalhadores dos
estaleiros Navais de Viana do Castelo. 16-05-2013 02:23 | Norte   Porto Canal

E anda esta choldra beata a governar o país!

Depois temos em alta o Fado. Enquanto música, nada contra. O que já não se
aguenta, nem se compagina com o século XXI é invocar aqueloutro Fado, o tal
Destino ao qual as pessoas se agarram para  justificar os reveses das suas vidas .
Nós nunca somos culpados de nada, nem por nada: ora são os desígnios das forças
místicas que pairam sobre nós, ou é esse Destino que está traçado mal soltamos o
primeiro vagido ao nascer!

Racionalismo não rima com o azul ferrete de Portugal.  O país continua a ser um
sentimentalão! Já Eça de Queirós criticava esta nossa idiossincrasia.


2. O futebol. A adrenalina de um país anémico. Exangue. Observando do outro lado
da barricada, é como se atirassem carne a famintos fechados numa arena. Acaba a
carne, acaba o espectáculo e todos retomam, cabisbaixos, as suas vidas. Sobretudo aqueles que as têm. A apatia, a bovinidade tomam  conta de tudo.


3. A recuperação nacional do Fado, música ligada à nossa história, será, em boa
hora o único F positivo.

O ar começa a ficar rarefeito.

Fosca-se! O novo F!


O sábio Eça já se referia há cerca de 120 anos: «E sempre esta política, liberal ou opressiva, terá em redor dela, sobre ela, envolvendo-a como a palpitação de asas de uma ave monstruosa, sempre, perpetuamente, vibrante, e cruel – a gargalhada! Política querida, sê o que quiseres, toma todas as atitudes, pensa, ensina, discute, oprime – nós riremos. A tua atmosfera é de chalaça.»

20.5.13

Chapa dez...


Tropecei nesta frase de Lenine e pensei na verdade e na actualidade da sua mensagem:

“Quemcontrola Berlim, controla a Alemanha, e quem controla a Alemanha, controla a Europa.”



                                                                                                       (do iz not)

15.5.13

Mais um sociopata!


“São essas reformas que nos fazem falta” 



Depois destas reformas estarem feitas, então, sim, estaremos preparados para inovar a nossa alimentação. Neste sentido, a FAO já tem a solução : sugere  a entomofagia (consumo de insectos)!

Como podemos concluir, estas organizações não são tão más como as pintam: umas roubam-nos o pão da boca, mas em troca outras só pensam no nosso bem estar! Ao comermos insectos deixamos de correr o risco de contrair a gripe das aves ou a doença das vacas loucas.
Fico super comovida com estas alternativas sobretudo quando há “procura crescente de proteína animal por parte das classes médias",escreve a FAO.

Fantástica a concertação destas organizações que iluminam a nossa existência!

6.5.13

Viver também é recordar

Valeu pelo almoço bem gargalhado.
Valeu pelo encontro depois de três décadas.
Valeu pela juvenil cumplicidade que regressou vinda do passado.

A lamentar o número incrível de jovens bêbados.

Fica um dos registos de um tremendo Efe Erre Á!



(a data registada na foto está errada e deverá ser: 05/05/2013)

Isto já nem é gato por lebre...


Não haverá mecanismos que controlem a falsa publicidade e com artigos num português tão rudimentar?!
A Trovit, Carga de Trabalhos e outros sites de oferta de emprego não terão uma palavra a dizer?
Será mais uma caça a dados pessoais?! 

Uma prosa brilhante que serviria para descrever o que se pretende de um copywriter tal como solicita o anúncio.




               Descrição:
Olá, eu sou empresário, sr.gerard Português, que começou no campo de assistência pessoal, mas apenas a pessoa que está muito em uma necessidade financeira crítica e ser capaz de vez em posse dos fundos para fazer o reembolso em paz e que tenha recebido.
Eu optei pelo empréstimo financeiro entre particular que é muito diferente de um empréstimo bancário com o único propósito de ajudar aqueles que são negados empréstimos por parte dos bancos, por várias razões, ao tentar remediar esta é o tempo é um setor pouco lucro. Na verdade, este é um empréstimo entre a iniciativa particular e privada com condições específicas.
A duração máxima para o reembolso é de 5 a 20 anos, porque nós não queremos ir contra a lei da usura.
Eu poderia fazer montantes disponíveis variam de € 1.000 a € 5.000.000 e não mais. A taxa de juros é de 2% e que, em um período de tempo especificado. Vamos ter de assinar o contrato de empréstimo antes de fazer rentriez na posse dos fundos, por e-mail: gerardmulon@hotmail



Ficou esclarecido? Não percebeu nada? Deixe lá, não está sozinho! Não haverá quem trave estes desmandos?!

Este é o anúncio:



  • Distrito: Ilha da Graciosa
  • Concelho: Santa Cruz da Graciosa
  • Freguesia: Luz
  • TipoAnuncio: Procura
  • Sector: Serviços
  • Função: Copywriter









1.5.13

Ando enjoada de:


  • poesia melosa - há pessoas, na maioria mulheres, que refocilam num permanente estado catatónico de melaço! Parecem nunca soltar um caraças de um “porra”. Todos os dias são pistas de mel por onde desliza o seu ser etéreo anormalmente amargurado. Não haverá um gajo que lhes dê um amasso à maneira para ver se param com certos suspiros sibilinamente uivados?

  • cançonetas miadas por vozes andróginas - há uns cantores que são gajos mas os seus trinados desconcertam-me. E umas gemadas para engrossar a coisa? Salvo seja!


  • frases pret à porter-  filosofia a preço de saldo. É giro, é barato e o Google está sempre bem disposto e disponível a qualquer hora. Embora tenha dias que venha muito à forró e a tocar berimbau. Tudo uma questão de “neurônios”.

  • elevados a gourmet – aquilo que leve o aposto “gourmet” origina logo titilações e paneleirices. Desenjoarei, prometo, no dia em que o meu país passe a ter uma política gourmet. Ah! E deixem a morcela da Beira em paz!

  • cupcakes- os bolinhos em forma de copinhos, muito lindinhos, cheinhos de penduricalhinhos. Tudo demasiado “inhos” que me enjoam o olhar. Anda toda a gente a saltitar em torno da merda dos queques, designação que o ora  novo-riquismo renegou. Cambada de vendidos isso sim!

  • lowcost- o oposto do gourmet e anda num revirote a postar-se diante de tudo quanto é coisa, numa luta mano a mano com o primo rico. Nos tempos que correm, qual levará a melhor? Os políticos lowcost. claro!

  • Os sapatos-andas que ridicularizam certas meninas de perninhas curtas. Há que fazer dar a bota com a perdigota. Pernas longíneas exigem-se. Na impossibilidade, meninas, treinem em casa! Coloquem uma dúzia de dicionários em cima da cabeça e  marchem.Taditas, algumas parecem umas pocahontas a caminhar.


  • leggings colados a cus tipo mós. Sim, isso. De moinhos. Sem complexos? Qual quê? Falta da mais elementar noção estética. Ou achaque de miopia. Ou ainda falha de amigo/a que lhe berre: ó Maria, essa porra não rima com nada! Não temos que levar com badalhoquices a céu aberto. A ASAE devia actuar.

  • “Destrocar” – isto está para o trocar como a volta está para os 360 graus: viajamos mas não saímos do mesmo lugar. Não se “destrocam” 20 euros, trocam-se por moedas ou notas de 5 euros! Arre!

                                                                    Feriado do trabalhador


                                                                   Desenho de Henrique Monteiro 

Fogos regados a gasolina

Quando não  se tem cão,  caça-se com gato. E o tempo que não está de feição para atiçar fogos... Nanja por isso! Já o poeta bradava,...